UGANGA

O Uganga é um dos grupos mais expressivos e relevantes do rock pesado brasileiro. Acumula mais de 25 anos de carreira, lançou quatros álbuns de estúdio e um disco ao vivo gravado na Alemanha. Já realizou shows por quase todas as regiões do Brasil, participou dos mais importantes festivais e fez duas turnês europeias que juntas somam 28 shows em 13 países.

Boa parte dessas produções do Uganga, sejam projetos de gravação ou circulação (turnês), têm recebido incentivo através de políticas públicas de cultura, comprovando a relevância do trabalho da banda, seja em seu sentido artístico/subjetivo ou sócio-cultural.

“Servus”, o quinto álbum de estúdio do grupo mineiro, não foge à regra. O disco foi financiado por dois relevantes prêmios, o Wacken Foundation, organização alemã sem fins lucrativos idealizada em 2008 pelos produtores do Wacken Open Air – o maior festival de heavy metal do planeta – e que apoia projetos de hard rock e heavy metal de todas as partes do globo, tendo nomes como o de Alice Cooper entre os doadores, e também pelo Programa Municipal de Incentivo à Cultura (PMIC) de Uberlândia, Triângulo Mineiro, de onde a banda é originária.
“A parceria com o Wacken Foundation foi mais uma vitória da ban da e equipe à custa de muito suor, estrada, planejamento e amor à camisa” – declarou o vocalista Manu Joker. “Trata-se do maior festival do planeta! Por sermos uma banda la tino-americana tocando em um país como o Brasil e todas as suas dificuldades, essa ajuda financeira torna-se ainda mais bem-vinda. Mas só de ter o logo do Wacken no trabalho já nos de ixou honrados. Se pessoas ligadas ao Wacken se interessara m por nós, então nosso trabalho está valendo a pena.” “Servus” definitivamente vale a pena! O quinto disco de estúdio do Uganga foi gravado no estúdio Rock Lab em Goiânia/GO onde a banda registrou seu álbum anterior, o aclamado “Opressor”. Gustavo Vazquez e o próprio vocalista Manu Joker assinam a produção desse trabalho que significa a coalisão da identidade sonora que o grupo lapidou nos álbuns “Vol.3” e “Opressor” com o aspecto mais experimental dos dois primeiros trabalhos, “Atitude Lótus” e “Na Trilha do Homem de Bem”. “Se com os dois álbuns anteriores definimos a nossa sonoridade, Servus é um olhar adiante, para o futuro” , afirma Manu. “Mas também consigo ver elementos de todos os nossos outros discos nas novas músicas. Em Servus a banda se arriscou por cam inhos onde ainda não foi. Não se trata de estudar o mercado ou seguir tendência. Música é algo muito sagrado para perder tempo com isso. Há mais de duas décadas fazemos peso e g roove pois amamos esses dois mundos. Navegar por caminhos aparentemente distintos como o som extremo ou algo diametralmente opos to, nunca nos assustou.” “Servus” reúne várias participações especiais, entre elas a de Flaira Ferro, notável dançarina e cantora pernambucana. Flaira divide os vocais com Manu Joker e Luiz Salgado – outro convidado bastante especial – na faixa “E.L.A.”. Outra participação peculiar é do grupo chileno de rap Lexico na faixa “Hienas” – que inclusive conta com trecho da letra em espanhol. Também merecem destaques as contribuições do vocalista do Witchhammer, Casito Luz, em “O Abismo”, e do vocalista do John No Arms, Renato BT, em “7 Dedos”. Sem esquecer de citar colaborações ímpares como as do DJ Eremita, o saxofonista Marco Melo, Fábio Marreco da banda Totem e do espiritualista Sr. Waldir. “É tradição no Uganga termos participações em nossos álbuns.
Se por um lado Flaira e Lexico são artistas que também admiramos, mas só travamos conta to agora, esses outros citados já estão na nossa crew há muito tempo. O que todos tem em comum? Todos detonaram, e a crew aumentou!”, declarou Manu Joker . Inerente à música do Uganga, a abordagem espiritual está ainda mais evidente em “Servus”. Seja pela já citada participação do espiritualista Sr. Waldir – na misteriosa “Depois de Hoje…” – ou pelos elementos presentes na capa do álbum.
“A participação do Sr. Waldir foi providencial e me encheu de orgulho, considerando os tempos atuais onde religiões afro-brasileiras são atacadas por falsos moralistas. Na capa, o feiticeiro (Uganga significa Feitiçaria em Swahilli) tem o rost o com pintura de guerra Kayapó, usa colares do budismo e da umba nda e a luz saindo da testa faz referência direta a Raja Yoga/Hinduísmo: é uma fusão louca de simbolismos, sentimentos e energias. Assim como é a música do Uganga” , explicou Manu. Mas a arte da capa de “Servus” não apenas sugestiona a relação do grupo com a espiritualidade. Desenvolvida pelo artista pernambucano Wendell Araújo, que já trabalhou com outras bandas de destaque como Ratos de Porão e Cólera, o desenho é uma interpretação possível do significado do título e conceito do álbum como um todo e ajuda a entendê-lo. “ A a rt e d a c a p a e c o n tr a c a p a t e m a v e r c o m o m o m e n t o a t u al p elo q u al p a s s a a humanidade” , explica Manu. “Digo, a inspiração do álbum vem disso, já que Servus já era um conceito que vinha sendo trabalhado desde quando começamos a pré-produção, quatro anos atrás. Mas a arte em si mostra o Brasil num futuro que não sei, nem posso determinar, quando será. Tem a ver com o conceito do ciclo da vida no hindu ísmo, as idades do ouro, prata, bronze e ferro. O momento atual que vivemos seria a idad e do ferro, o fundo do poço antes da renovação, do renascimento. A arte mostra o mundo no f uturo, na idade do ouro, em tempos pós-caos. Uma época de luz, paz e sabedoria. Seria ut opia? Não acredito, mas t a m b é m n ã o s o u s e n h o r d e v e r d a d e . A c h o q u e e st a m o s n a la m a h á sé c ulo s, m u d a m somente os rostos. Não será a po lítica que vai nos salvar, sere mos nós mesmos! Servus trata disso, do fundo do poço, da luta pela sobrevivência e de tempos de redenção”

Contato Facebook

Deixe uma resposta

Scroll Up